Gerador Padrão de FM (INS273)

Escrito por Newton C Braga

Na bancada do reparador ou do montador que não possua muitos equipamentos de provas comerciais um oscilador de alta freqüência que opere na faixa de FM e mesmo VHF tem muitas utilidades.

Como o gerador irradia seu sinal com um alcance de alguns metros, na maioria dos casos dispensa-se a conexão física entre ele e o aparelho em ajuste ou na verificação.

A alimentação feita com pilhas torna o gerador compacto e totalmente portátil.

 

Características

Tensão de alimentação: 6 V

Consumo: 5 mA (tip.)

Faixa de freqüências: 50 a 120 MHz

Modulação: 100 a 1000 Hz

 

O circuito integrado 555 é usado como oscilador de áudio (astável) gerando o sinal de baixa freqüência para modulação.

Neste circuito, P1 determina a freqüência de modulação (que é acessada) externamente para provas de áudio, e C1 determina sua faixa podendo este componente ser alterado conforme a aplicação.

O sinal retangular disponível é aplicado a um oscilador de alta freqüência com configuração básica bastante tradicional e que tem por centro um transistor BF494 ou equivalente.

A frequência deste oscilador é determinada por L1 e CV, e a realimentação feita por C5.

O sinal é levado ao circuito externo, se necessário pela bobina L2.

Na figura 1 temos o diagrama completo do gerador.

 

   Figura 1 – Diagrama do gerador
Figura 1 – Diagrama do gerador

 

Na figura 2 temos a disposição dos componentes numa placa de circuito impresso.

 

Figura 2 – Placa para a montagem
Figura 2 – Placa para a montagem

 

Para a bobina L1 temos diversas opções conforme a faixa de freqüências que desejamos varrer. Desta forma, recomendamos o uso de um soquete que permita sua troca, conforme o tipo de aparelho que vamos ajustar.

Temos então as seguintes possibilidades para L1 em função da freqüência, sempre com diâmetro de 1 cm e fio 20 ou 22:

50 a 80 MHz - 5 a 7 espiras

80 a 110 MHz - 4 espiras

110 a 150 MHz - 2 ou 3 espiras

Para o circuito integrado sugerimos a utilização de um soquete DIL.

 

O trimmer não é crítico e pode até mesmo ser usado em seu lugar um variável de FM o que facilita a sintonia do sinal.

O conjunto pode ser instalado numa pequena caixa plástica e para a saída do sinal usamos um jaque ou dois bornes isolados.

Para provar o aparelho, basta ligá-lo perto de um rádio de FM sintonizado em freqüência livre.

Atuando-se sobre CV devemos captar o sinal do gerador. Atuando-se sobre P1 devemos alterar a modulação.

Para aplicar diretamente o sinal no receptor precisamos de um cabo blindado com duas garras jacaré.

A ligação de uma delas na antena do receptor já proporciona bons resultados na transferência do sinal para o aparelho em prova.

Para irradiar o sinal com mais alcance, basta conectar um pedaço de fio como antena.

 

Semicondutores:

CI-1 - 555 - circuito integrado

Q1 - BF494 ou BF495 - transistor NPN de RF

 

Resistores: (1 /8 W, 5%)

R1 - 10 kΩ

R2 - 22 kΩ

R3 - 15 kΩ

R4 - 8,2 kΩ

R5 - 100 Ω

 

Capacitores:

C1 - 47 nF - cerâmico ou poliéster

C2 - 10 nF - cerâmico ou poliéster

C3, C5 - 100 nF - cerâmicos

C4- 10 nF – cerâmico

C6 - 4,7 pF - cerâmico

 

Diversos:

P1 - potenciômetro de 100 k Ω

S1 - interruptor simples

CV1 - 3-30 pF - trimmer

L1, L2 - bobinas - L2 - 2 espiras sobre L1

B1 - 6 V - 4 pilhas pequenas

J1 - jaque P2

J2, J3 - bornes ou jaques

 

Placa de circuito impresso, suporte de pilhas, caixa para montagem, botão para o potenciômetro, soquete para o circuito integrado, plugue com fio blindado e garras, fios, solda, etc.