O Site do Hardware Livre - OSHW

Teste Dinâmico de Fly Backs (INS268)

Descrevemos um eficiente e econômico testador dinâmico de fly-hacks, um circuito que não deve faltar na oficina de reparação de televisores e monitores de vídeo (*). O circuito não usa transformadores e tem apenas um componente ativo, consistindo num oscilador potente de prova que permite verificar se há alta tensão no enrolamento correspondente do fly-back.

Obs. Este artigo é de 1993 quando ainda eram usados estes componentes em televisores e monitores de vídeo com cinescópios. Hoje estes componentes não mais são encontrados, a não ser em sucatas. No entanto, o circuito pode ser útil se o leitor desejar aproveitar este componente para um projeto.

 

A versão de provador de fly-back que descrevemos se caracteriza pela sua simplicidade, consistindo num oscilador de relaxação com SCR.

Alimentado diretamente pela rede, pode ser montado numa pequena caixa plástica e usado até mesmo na casa do cliente ou escritório.

É claro que o único cuidado que o técnico deve ter é em relação a eventuais toques nas garras já que o aparelho não é isolado da rede e por isso está sujeito a causar choques.

Esta prova, entretanto, não oferece qualquer perigo ao aparelho em teste, pois a única conexão é feita a uma bobina isolada do restante do circuito não induzindo pois tensões perigosas.

 

Características:

Tensão de entrada: 110/220 V

Consumo: 2 W (típ)

Tipo de operação: pulsante

Frequência de teste: 1 Hz a 10 Hz (típ)

 

COMO FUNCIONA

O que temos é um simples oscilador de relaxação com base numa lâmpada neon e num SCR. Neste circuito o capacitor C1carrega-se via R1 e D1 com a tensão de pico da rede local que será da ordem de 150 V para a rede de 110 V e 300 V para a rede de 220 V.

Ao mesmo tempo, C2 carrega-se lentamente via R2 e P1 até ser atingida uma tensão de 80 V aproximadamente, que é a tensão de ionização da lâmpada neon.

As garras G1 e G2 são ligadas a uma bobina formada por 4 ou 5 voltas de fio comum encapado no núcleo do transformador em prova (fly-back) conforme mostra a figura 1.

 

Figura 1 – A bobina de teste
Figura 1 – A bobina de teste

 

Obs. Tipos mais recentes de fly-backs são totalmente vedados não permitindo este tipo de teste

 

Quando a lâmpada neon dispara, o SCR também é levado a plena condução, fechando desta forma um circuito de descarga para C1 formado pela bobina onde estão ligadas G1, G2 e o próprio SCR.

O resultado é um pulso de alta tensão e alta corrente no fly-back que gera no seu secundário uma alta tensão a qual pode ser verificada pelo teste de faiscamento.

Tão logo a carga de C1 se reduza para abaixo do ponto de manutenção do SCR, este componente desliga e ocorre um novo ciclo de carga de C1 e C2.

C2 deve ser tal que a repetição dos pulsos ocorra num intervalo que dê tempo de C1 adquirir uma boa carga.

Se a freqüência for muito alta, a tensão de C1 não sobe o suficiente para se obter uma boa energia para os pulsos aplicados ao fly-back em teste.

Os valores indicados permitem ajustar P1 para um bom rendimento, mas se o leitor notar que as altas tensões geradas nos testes estão abaixo do desejado pode reduzir o valor de R1. Valores mínimos de 1 k para rede de 110 V e 2,2 k para a rede de 220 V com dissipação de 10 W são admitidos.

Este circuito também pode ser usado para testar bobinas de ignição de automóveis, bastando ligar as garras ao seu primário.

 

MONTAGEM

Na figura 2 temos o diagrama completo do provador de fly-back e bobinas de ignição.

 

Figura 2 – Diagrama completo do aparelho
Figura 2 – Diagrama completo do aparelho

 

A disposição dos componentes com base numa placa de circuito impresso é mostrada na figura 3.

 

Figura 3 – Placa de circuito impresso para a montagem
Figura 3 – Placa de circuito impresso para a montagem

 

Dada a curta duração dos pulsos, somente um pequeno radiador de calor será necessário para o SCR. Os valores dos componentes indicados entre parênteses são para a rede de 220 V.

O capacitor C1 é um eletrolítico para 250 V se a rede for de 110 V, e pelo menos 400 V se a rede for de 220 V. O capacitor C¡ é de poliéster com tensão de trabalho acima de 100 V.

O resistor R1 deve ser de fio com pelo menos 10 W de dissipação, enquanto que os demais são de 1/8 W.

A lâmpada neon é de qualquer tipo, e o potenciômetro não é crítico, podendo ter valores de 220 k Ω a 1M5 Ω.

 

PROVA E USO

Para provar o aparelho basta ligar G1 e G2 a uma bobina, conforme indicada na figura 1, feita num fly-back bom e acionar a unidade. Devem ocorrer faíscas no terminal de alta tensão quando aproximado dos terminais do mesmo enrolamento, e a lâmpada neon deve piscar no mesmo mínimo.

A frequência das piscadas e sua intensidade são ajustadas em P1.

Para testar um fly-back num aparelho, desligue a “chupeta” de alta tensão do cinescópio e desligue o aparelho da rede de energia.

Faça a bobina de prova e acione o provador. Verifique com o teste da “chave de fendas” se há alta tensão no fly-back.

Se ocorrerem fugas laterais de alta tensão na bobina ou nada ocorrer, teremos um fly-back com problemas.

 

Obs: Conforme alertamos, este circuito não é isolado da rede, assim, conecte antes as garras G, e G2 na bobina em teste e somente depois conecte o aparelho à rede acionando estão S1. Com S¡ desligada, ainda existe perigo de choque, pois a linha de catodo do SCR não tica desligada da rede!

Nunca deixe as garras unidas com o aparelho ligado, pois a forte corrente de descarga de C1 poderia causar a queima do SCR.

 

Semicondutores:

SCR: TIC106B (110 V) ou TC106D (220 V) - diodo controlado de silício

D1 - 1N4004 (1N4007) - diodo de silício ç i

 

Resistores (1/8 W, 5%):

R1 - 10 k Ω (220 k Ω) - 10 W -fio

R2 - 47 k Ω

R3 - 10 k Ω

P1 - potenciômetro de 220 k Ω a 1 M Ω

 

Capacitores:

C1 – 1 µF a 10 µFx 250V (400 V) - eletrolítico - ver texto

C2 - 470 nF x 100 V ou mais - poliéster

 

Diversos:

S1 - Interruptor simples

NE1 - Lâmpada neon comum

G1, G2 - Garras jacaré

Placa de circuito impresso, cabo de alimentação, caixa para a montagem, botão para o potenciômetro, radiador de calor pequeno para SCR, fios, solda etc.

 

 

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Ser não ser honesto (OP192)

Não há dúvida de que estamos passando por uma época de transformações políticas e sociais. Já não se admite desonestidade na política, e evidentemente em qualquer outro tipo de atividade em nosso país. A pressão tem sido cada vez maior no sentido de erradicar este mal, mas infelizmente ainda vemos que em alguns setores, esta mentalidade parece não estar mudando com a devida velocidade.

Leia mais...

Filosofia
A filosofia serve apenas para refutar a filosofia.
Willem Bilderdijk (1756 1831) Carta a Kinter - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)