Como testar Fusíveis (INS042)

Escrito por Newton C Braga

 

O que são e o que fazem

Os fusíveis são elementos de proteção de circuitos elétricos e eletrônicos e estão presentes numa infinidade de aparelhos comerciais, industriais e instalações elétricas além de veículos. O fusível típico de cartucho de papelão ou de vidro tem a aparência mostrada na figura abaixo.

 

Este fusível tem um fio fino interno ou uma lâmina ou fio de cobre, ou outro metal, cuja espessura e comprimento, além do material de que é feito determinam a corrente em que ocorre sua fusão. Assim, quando a corrente no circuito supera um determinado valor, o fusível, de modo a proteger o circuito contra dano "queima-se" interrompendo essa corrente.

 

O que devemos testar

Partindo do comportamento elétrico do fusível, podemos dizer que se ele estiver bom, deve apresentar uma baixa resistência, uma resistência praticamente nula, com continuidade para a corrente, enquanto que um fusível queimado ou aberto não deixa passar a corrente, ou seja, tem uma resistência infinita. Conhecendo este comportamento elétrico, o teste básico de um fusível consiste em se verificar se ele deixa ou não passar a corrente. Se ele deixar passar a corrente, com uma resistência muito baixa então ele está bom. Se não deixar, isso indica que o seu elemento está interrompido ou queimado e ele deve ser substituído pois está "aberto" ou queimado.

 

Instrumentos usados no teste

Multímetro

Provador de continuidade

Lâmpada de prova (5W)

Osciloscópio e Traçador de Curvas

 

Neste caso, como não há necessidade de se conhecer as características específicas do fusível, como por exemplo o valor de sua corrente caso esteja ausente, todos os três instrumentos indicados dão igual nível de informação sobre seu estado. Apenas devemos observar que no caso da lâmpada de prova, fusíveis com correntes menores que a da lâmpada (50 mA para 110V/5W) não podem ser testados, pois queimariam durante o teste. Para fusíveis de mais de 500 mA uma lâmpada de 25W/110V pode ser usada.

No caso do Osciloscópio e Traçador de Curvas usamos esse conjunto na função de prova de continuidade.

 

Fusíveis provados

Com o procedimento indicado: de 100 mA a 200A.

 

Procedimento

a) Prepare o instrumento para a prova verificando o seu funcionamento, e zerando-o caso seja o multímetro. Para o multímetro use a escala mais baixa de resistências (x1 ou x10).

 

b) Encoste as pontas de prova nos terminais do fusível, que deve estar fora de seu soquete ou fora do suporte em que funciona. O procedimento é mostrado na figura 2.

 

 

Interpretação da prova:

a) Se houver continuidade ou resistência muito baixa (inferior a 1 ohm) o fusível está em bom estado.

 

b) Se não houver continuidade ou resistência infinita, então o fusível está aberto (queimado). Substitua por um de mesma corrente.

 

c) Estados intermediários, ou seja, resistências altas, podem indicar a presença de umidade, mas de qualquer forma o fusível estará aberto, devendo ser substituido.

 

Observações

É claro que, para os fusíveis com invólucros transparentes de vidro podem ser facilmente verificados visualmente. Se o fio interno estiver interrompido, certamente ele está aberto ou queimado.  O que ocorre é que às vezes o fusível tem o fio interno interrompido junto ao ponto de soldagem, numa das extremidade e isso não pode ser observado, dando a impressão de que está bom quando não está. Em caso de dúvida, faça o teste!