O Site do Hardware Livre - OSHW

Transmissor Automático de Conversas Telefônicas (TEL205)

Uma maneira mais segura de se interceptar conversas telefônicas consiste em se ligar um transmissor à linha e fazer a escuta ou gravação a distância. Evidentemente, os mesmos problemas do projeto anterior devem ser considerados: a necessidade de se ter alguém próximo para acionar o aparelho e a possibilidade do sinal estar sempre presente no ar, facilitando assim sua detecção.

O aparelho que propomos é muito interessante, pois ele é alimentado pela própria linha telefônica, não necessitando, portanto, de pilhas ou bateria e, além disso, é acionado somente quando o fone é tirado do gancho.

Seu alcance é da ordem de 50 metros, o que permite que o agente se posicione em local seguro com seu receptor e o gravador e a operação pode tanto ser programada para a faixa de FM como de VHF.

De montagem bastante compacta, ele é conectado à linha telefônica em menos de 1 minuto, e pode ser escondido em qualquer parte.

O consumo, por outro lado,é suficientemente baixo para não carregar de modo sensível a linha, o que pode causar suspeitas ao vigiado.

 

COMO FUNCIONA

Na figura 1 damos o diagrama completo do transmissor interceptador telefônico automático.

 

Figura 1 – Diagrama do transmissor
Figura 1 – Diagrama do transmissor

 

Uma ponte de 4 diodos serve tanto para alimentar o circuito, independente da polaridade da conexão, como também para acionar o circuito transmissor.

Assim, quando o fone está no gancho, a tensão que aparece na ponte e alta e com isso o transistor é polarizado no corte, de modo a não alimentar o transmissor. 0 transmissor, nestas condições, se mantém fora do ar.

O ajuste do ponto de corte em função da tensão da linha é feito pelo trimpot P1. Este ajuste e interessante, pois tanto em função das características dos componentes como pelas variações que a tensão da linha pode ter pelo seu comprimento, não se conseguiria um acionamento perfeito com o uso de componentes fixos.

Uma possibilidade de se obter um ajuste fixo, mas ainda assim sujeito a não operação em linhas com tensões muito baixas, devido ao comprimento do fio, seria trocar R2 por um diodo zener de 24 V.

Quando o fone é retirado do gancho, a tensão da linha cai e com isso a polarização de base proporcionada por R3 e P1 passa a predominar, levando o transistor Q1 a condução.

O resultado da condução é a alimentação com uma tensão entre 4 e 12 V do pequeno transmissor com base no transistor Q2.

Neste transmissor, a bobina L1 em conjunto com CV1 determina a frequência de operação, que pode estar entre 50 e 150 MHz.

Evidentemente, o agente deve ter um receptor capaz de sintonizar a frequência para a qual o circuito foi montado e ajustado.

A polarização de base para o transistor oscilador é dada pelos resistores R5 e R6, enquanto que CS serve de desacoplamento de base e como corte para as altas frequências de modulação, evitando assim que os ruídos da linha telefônica sejam transmitidos.

A modulação vem do áudio da própria linha telefônica através do resistor R4 e do capacitor C7.

Eventualmente, em função das características dos componentes, o resistor R4 pode ser alterado na faixa de 10 k ohms a 220 K ohms no sentido de se obter a melhor modulação. Sugerimos aos montadores que façam experiências depois da montagem no sentido de obter o valor que dê o melhor desempenho.

O capacitor C7 pode ser alterado na faixa de 22 nF a 220 nF, sem problemas.

Os sinais gerados pelo oscilador que é alimentado somente quando o fone é retirado do gancho são irradiados pela antena.

 

MONTAGEM

A disposição dos componentes numa placa de circuito impresso é mostrada na figura 2.

 

Figura 2 – Placa para a montagem
Figura 2 – Placa para a montagem

 

Para a bobina temos as seguintes características conforme a faixa de frequências, sempre enrolada com fio 22 a 26 em fôrma de 1 cm sem núcleo:

Frequência Espiras
50 a 80 MHz 5 ou 6
80 a 100 MHz 4
100 a 130 MHz 2 ou 3
130 a 150 MHz 1

Para o caso da faixa de 100 a 150 MHz, será conveniente reduzir o capacitor C6 para 2,2 pF ou mesmo 1 pF.

Os diodos admitem equivalentes e todos os resistores são de 1/8 W. O trimmer CV1 pode ter capacitâncias máximas entre 20 e 50 pF. Os capacitores menores devem ser todos cerâmicos, exceto C7 que deve ser de poliéster metalizado.

Os capacitores eletrolíticos devem ter uma tensão de trabalho de pelo menos 16V , exceto C1 que deve ser de 25 V ou mais.

Os transistores admitem equivalentes como o BC558 para Q1 e o BF495 ou 2N2218 para Q2.

Não se deve aumentar a potência do circuito com a troca de Q1 por um BD135 e Q2 por um 2N2218 com a redução de R7 para 47 ohms, pois isso poderia carregar o circuito, reduzindo o volume do telefone vigiado, causando assim suspeitas.

O conjunto cabe facilmente numa pequena caixa plástica que deve ter apenas duas garras jacaré para conexão à linha e a antena.

A antena é um pedaço de fio comum encapado de até 80 cm de comprimento.

 

PROVA E USO

Para a prova de funcionamento basta ligar as garras a uma fonte de 6 V e ajustar CV1 para captar a portadora do sinal numa frequência livre da faixa desejada. A antena pode ficar esticada sobre a mesa para esta finalidade e o ajuste deve ser feito com uma chave não metálica.

Feito este ajuste, teste o aparelho numa linha telefônica, agora ajustando P1 para que o acionamento ocorra quando o fone for retirado do gancho.

Altere os componentes citados no item anterior, se julgar necessário.

Para usar, descasque rapidamente a linha nos pontos de conexão e coloque as garras jacaré, tomando cuidado para não deixar os fios encostarem um no outro. Posicione a antena de modo que fique longe de fios e objetos de metal, e deixe rapidamente o local.

Conecte na saída de fone do receptor um gravador se quiser registrar as conversas.

 

 

Semicondutores:

Q1 - BC557 ou equivalente - transistor PNP de uso geral

Q2 - BF494 ou equivalente - transistor de RF

D1 e D4 - 1N4002 - diodos de silício

 

Resistores: (1/8 W, 5%)

R1 - 470 ohms

R2 - 47 k ohms

R3 - 1 k ohms

R4 - 100 k ohms

R5 - 10 k ohms

R6 - 5,6 k ohms

R7 - 100 ohms

P1 - 47 k ohms - trimpot

 

Capacitores:

C1 - 100 uF/25 V - eletrolítico

C2 - 1 uF/16 V - eletrolítico

C3 - 10 uF/ 16 V - eletrolítico

C4 - 100 nF - cerâmico

C5 - 22 nF - cerâmico

C6 - 4,7 pF - cerâmico

C7 - 22 nF - poliéster

CV1 - trimmer - ver texto

 

Diversos:

L1 - bobina de antena - ver texto

A - antena - ver texto

Placa de circuito impresso, caixa para montagem, garras jacaré, fios, solda, etc.

 

Artigo publicado originalmente em 1985

 

BUSCAR DATASHEET


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Opinião

Mês de Muito Trabalho (OP197)

   Estamos em setembro de 2018 e continuamos com nosso trabalho, realizando palestras, viagens, escrevendo artigos, livros e muito mais. Em nossas duas últimas palestras, uma na Uninove e a outra na ETEC Albert Einstein, ambas de São Paulo, pudemos constatar de forma bastante acentuada um fato importante , que constantemente salientamos em nosso site desde seu início. 

Leia mais...

Descendência
O imbecil descende de si mesmo. - Soflocleto (Silogismos)
- Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)