Temporizador CMOS (ART471)
O Site do Hardware Livre - OSHW

Temporizador CMOS (ART471)

Não se trata de artigo novo, mas é totalmente viável sua montagem nos nossos dias, pois todos os componentes utilizados são comuns. Trata-e de projeto ideal para quem precisa de um pequeno temporizador para aplicações gerais ou no laboratório ou ainda para ser implementado como montagem prática em cursos técnicos e de iniciação tecnológica.

Introdução
Este projeto tem diversas finalidades, podendo servir de luz de cortesia de um automóvel, como um iluminador para o laboratório de quimica, onde é possível determinar o tempo de exposição em processos químicos. O projeto consiste numa luz que fica acesso por determinado tempo e depois se apaga, o seu consumo é determinado pelo ajuste de um potenciômetro, que pode ser de 0 a alguns segundos. Em condição de espera o consumo é muito baixo pelo fato do circuito usar um CI CMOS.

Descrevemos um simples timer ou temporizador com uma lâmpada incandescente comum e que possui por elementos ativos um circuito integrado CMOS e um transistor Darlington de potência de fácil obtenção. Com o transistor indicado, lâmpadas de até mais de 1 ampère de corrente de acionamento podem ser controladas tanto na alimentação de 6 como 12 volts.

No entanto, podemos também usar um transistor PNP de baixa potência como o BC558 se a lâmpada usada for de até 50 mA ou ainda se for usado um LED.

Uma aplicação interessante para este projeto, com pequena adaptação, é na determinação do instante de partida de competições com o uso de uma lâmpada vermelha e outra verde.

A temporização pode ser ajustada entre alguns segundos e vários minutos utilizando-se um trimpot ou ainda um potenciômetro comum.

 

Características:

  1. Tensão de alimentação: 6 ou 12 V conforme a lâmpada
  2. Corrente de repouso: 0,5 mA 9tip)
  3. Corrente máxima de carga: 1 ampère
  4. Temporização: 5 segundos a 5 minutos (aprox.)

 

COMO FUNCIONA

Dois dos seis inversores de um circuito integrado CMOS 4049 são usados como um monoestável cujo tempo em que a saída permanece no nível alto depende do tempo em que C1 se mantém carregado após o acionamento de S1.

Desta forma, o valor de C1, mais o ajuste de P1 que em série com R2 determinam a velocidade de descarga, são os responsáveis pelo tempo de operação do monoestável.

Para termos uma potência maior de acionamento os outros 4 inversores são usados como buffers amplificadores, de modo que ao ser acionado S1, a saída desses buffers vai ao nível baixo.

Com a utilização de um transistor PNP temos então a saturação por um tempo determinado após o acionamento de S1 e com isso a energização da lâmpada usada como carga.

Um sistema de acionamento duplo, em que apaga uma luz verde e acende uma vermelha por certo tempo pode ser feito conforme mostra a figura 1.

 

Alteração para apagar uma lâmpada e acender outra.
Alteração para apagar uma lâmpada e acender outra.

 

Neste circuito, enquanto a saída dos buffers se mantém alta, Q1 está no corte e Q2 saturada. Com a ida da saída ao nível baixo, após o acionamento de S1, Q1 satura e Q2 vai ao corte.

Com o uso de transistores de pequena potência, conforme mostra a figura 2, o circuito pode ser usado para acionar LEDs comuns.

 

Acendendo apenas um LED.
Acendendo apenas um LED.

 

O valor de c1 determina a faixa de tempos que podemos obter com este circuito e valores entre 10 µF e 1 000 µF podem ser usados.

 

MONTAGEM

Na figura 3 temos o diagrama completo do temporizador.

 

Diagrama completo do temporizador.
Diagrama completo do temporizador.

 

Na figura 4 temos a disposição dos componentes numa placa de circuito impresso.

 

Placa de circuito impresso do temporizador.
Placa de circuito impresso do temporizador.

 

O circuito integrado, de preferência, deve ser montado num soquete. Para o transistor de potência precisamos de um pequeno radiador de calor. Os resistores são de 1/4 watt ou maiores e os capacitores eletrolíticos devem ter uma tensão de trabalho um pouco maior que a usada na alimentação.

A lâmpada deve ter uma tensão de acordo com a usada na alimentação e uma corrente máxima de 1 ampère.

A lâmpada pode ficar longe da placa e do ponto de acionamento. O próprio interruptor de acionamento, que é de pressão NA pode ser substituído por algum outro tipo de acionamento por sensor, como por exemplo um reed-switch.

 

PROVA E USO

Para provar o aparelho basta alimentá-lo e acionar por um instante S1. A lâmpada deve acender. Ajuste então P1 para a temporização desejada.

Comprovado o funcionamento é só fazer a instalação definitiva.

 


Semicondutores:

CI-1 - 4049 - circuito integrado CMOS

Q1 - TIP115 ou equivalente - Transistor PNP Darlington de potência


Resistores: (1/4 W, 5%)

R1 - 1 M ? - marrom, preto, verde

R2 - 10 M ? - marrom, preto, azul

R3, R4 - 10 k ? - marrom, preto, laranja

P1 - 4,7 M ? - trim pot ou potenciômetro


Capacitores:

C1 - 10 a 1000 µF/12 V - eletrolítico

C2 - 100 µF/12 V - eletrolítico


Diversos:

S1 - Interruptor depressão NA (normalmente aberto)

X1 - lâmpada de 1A - 6 ou 12 V

Placa de circuito impresso, soquete para o circuito integrado, radiador de calor para Q1, caixa para montagem, soquete para a lâmpada, fios, solda, etc.

 

 

BUSCAR DATASHEET


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Opinião

Fim de Férias (OP184)

Para os leitores que estudam ou ensinam e que nos acompanham, agosto marca o término das férias de meio ano. Também para os leitores que trabalham com eletrônica, o mês de agosto também encerra a temporada em que viajam com a família e os filhos justamente devido as férias.

Leia mais...

Amanhã
Não perguntes o que haverá amanhã. (Quid sit futurum cras, fuge qu?rere.)
Horácio (65 - 8 a.C.) - Odes - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)