O Site do Hardware Livre - OSHW

Simples Fotômetro (ART4128)

Já nos anos 60, aprendendo eletrônica realizei muitos experimentos que depois me ajudaram quando dei aulas de tecnologia (já naquela época) e depois em centenas de artigos didáticos que publiquei além de livros. Com a chegada do BNCC (Base Nacional Curricular Comum) uma grande quantidade daqueles projetos pode ser usada ainda hoje no ensino de tecnologia. O projeto que descrevemos neste artigo e nos seguintes fazem parte do meu caderno de anotações daquela época.

Na verdade, trabalhando como professor praticamente toda a minha vida sempre estive ligado ao ensino de tecnologia, assim o desenvolvimento de projetos didáticos não é uma novidade para mim.

Já nos anos 60 e 70 ensinei tecnologia para jovens do ensino fundamental e médio em escolas de São Paulo e mesmo depois nos anos 90 e posteriores no Colégio Mater Amabilis em Guarulhos.

Durante todo esse tempo colecionei centenas de projetos especialmente indicados para o ensino de tecnologia, muitos deles fazendo parte de livros que publiquei aqui e nos Estados Unidos. Destaco o Mechatronics for the Evil Genius, Bionics for the Evil Genius e o Robotics, Mechartronics and Artificial Intelligence. Este ultimo publicado em 2002 (esgotado – mas estou preparando uma nova edição) recomendado pelo plano de ensino de tecnologia do Governo Americano, aprovado em 2015. Veja os livros neste link.

O projeto denominado STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics) visa levar o ensino dessas disciplinas a estudantes a partir do nível fundamental. O que já faça há muitas décadas.

E, no Brasil, publicamos diversos livros especialmente indicado aos professores (e estudantes) que desejam incluir projetos de tecnologia em seus currículos tais como:

- Projetos educacionais para o ensino de física

- Brincadeiras e Experiências com Eletrônica (25 volumes)

- Projetos educacionais de robótica e mecatrônica

- Projetos educacionais na matriz de contato

- Projetos educacionais com energia alternativa

 

O artigo que estou publicando agora é de um dos meus cadernos de anotações dos anos 60 em que anotei uma boa quantidade de experimentos envolvendo óptica.

São projetos ideais para acompanhar o ensino de física e em muitos deles acrescentei melhoras que os adaptam aos nossos tempos, já que hoje temos acesso de recursos de novas tecnologias melhores e mais baratos.

Para as versões básicas, mantivemos as ilustrações originais de meu caderno de anotações, mais como uma conotação histórica.

 

Fotômetro

Descrevemos a montagem de um simples fotômetro com apenas 3 componentes. O simples instrumento pode ser usado em alguns experimentos óptica e de eletrônica abrangendo os seguintes temas:

- Como funciona um LDR (sensor de luz – veja artigos completos no site)

- Medindo a intensidade da luz

- Medindo a refletância de uma superfície

- Verificando a atenuação da luz ao passar por um meio físico

- Mostrando como funciona um controle remoto

- Comparando a intensidade de fontes emissoras de luz

O diagrama da versão original é mostrado na figura 1.

 

Figura 1 – Versão original
Figura 1 – Versão original

 

 

A pilha não tem polaridade certa para a conexão neste circuito, pois o LDR conduz em ambos os sentidos a corrente.

 

O LDR pode ser de qualquer tipo comum, inclusive aproveitado de sucata, pois existem aparelhos antigos como velhos televisores que usam este componente como controle automático de brilho.

A fonte de alimentação pode ser formada por uma ou duas pilhas pequenas e o instrumento é um miliamperímetro de 0 a 1 mA. Na versão original não foi acrescentado nenhum controle de sensibilidade.

Ele pode ser agregado na forma de um potenciômetro de 10 k em série com o instrumento.

 

Funcionamento:

Ao ser iluminado o LDR diminui sua resistência à passagem da corrente. Com isso a intensidade da corrente no circuito aumenta, o que é indicado pelo instrumento.

 

Variações:

Numa variação moderna podemos eliminar a pilha e o instrumento, usando em lugar dos dois um multímetro comum conectado na escala de resistências, conforme mostra a figura 2.

 

Figura 2 – Usando um multímetro
Figura 2 – Usando um multímetro

 

Damos preferência ao multímetro analógico, pois o efeito do movimento da agulha é mais apreciado pelos alunos. Use as escalas x1 e x10.

Assim, verificamos na prática como a corrente no LDR cai indicado pelo aumento da resistência, no momento em que colocamos a mão na sua frente para impedir a passagem da luz ambiente.

A vantagem do uso do multímetro numa versão moderna é que selecionando as escalas mais altas de resistência (x100 ou x1k) o circuito apresenta a sua maior sensibilidade podendo ser usado com fontes de luz muito fracas.

 

 

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Ser não ser honesto (OP192)

Não há dúvida de que estamos passando por uma época de transformações políticas e sociais. Já não se admite desonestidade na política, e evidentemente em qualquer outro tipo de atividade em nosso país. A pressão tem sido cada vez maior no sentido de erradicar este mal, mas infelizmente ainda vemos que em alguns setores, esta mentalidade parece não estar mudando com a devida velocidade.

Leia mais...

Avarento
O avarento sempre sente necessidade. (Semper avarus eget.)
Horácio (65 8 a.C.) - Epístolas - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)