O Site do Hardware Livre - OSHW

Eletricidade estática e capacitores (ART431)

Este artigo é de 1995, mas trata-se de assunto teórico que não muda ao longo dos anos e que portanto ainda hoje é bastante atual. Trata-se de assunto que pode ser abordado da forma que ele apresenta até mesmo nos cursos técnicos e de iniciação à tecnologia em nossos dias. Nele tratamos dos problemas que  eletricidade acumulada em corpos causa quando se manifesta naturalmente ou artificialmente. No artigo abordamos as diversas maneiras que a eletricidade estáticab se manifesta como, por exemplo, na natureza na forma de raios e artificialmente onde aproveitamos a eletricidade acumulada em diversos tipos de dispositivos. Entender como a eletricidade estática se manifesta e como funcionam alguns componentes que a utilizam como os capacitores é de grande importância para todos que desejam saber tudo sobre eletrônica. Veja neste artigo um pouco das manifestações da eletricidade natural e de um dos principais componentes usados na eletrônica que é o capacitor.

 

ELETRICIDADE ESTÁTICA

A tendência natural das coisas é o equilíbrio. Se tiramos cargas de um local, imediatamente, as cargas que estão em excesso em outro local se deslocam para preencher as vagas de modo a manter o equilíbrio, conforme mostra a figura 1.

 

A tendência natural é a neutralidade.
A tendência natural é a neutralidade.

 

Essa tendência faz com que, eletricamente, os corpos estejam na maior parte do tempo num estado de neutralidade, ou seja, a quantidade de cargas positivas é igual a de cargas negativas.

Conforme sabemos, as cargas que possuem certa mobilidade são os elétrons: quando tiramos elétrons de um corpo (falta de elétrons) ele adquire uma carga positiva, e quando acrescentamos elétrons a um corpo (excesso de elétrons) ele se torna negativo.

Assim, tudo que se faz quando carregamos e descarregamos corpos, movendo cargas, está em torno da mobilidade dos elétrons. É por isso que a nossa ciência se denomina eletricidade (de elétron).

Isaac Asimov, famoso escritor de obras de ficção científica fala em seus livros num futuro em que talvez o homem aprenda a dominar a ciência dos elétrons positivos, cuja existência é comprovada pela física e denomina essa ciência de "positrônica". Quem sabe ele tinha razão!

Mas, o importante é que, se a natureza manifesta a tendência ao equilíbrio, com os corpos na sua maioria, no estado de neutralidade, existem diversos processos (naturais e artificiais) que podem quebrar este equilíbrio.

Quando atritamos um pente num pedaço de tecido o equilíbrio é quebrado e elétrons podem passar do pente para o tecido, conforme mostra a figura 2.

 

O experimento do pente.
O experimento do pente.

 

O pente fica carregado positivamente e o tecido negativamente. Como o meio em que estes materiais estão é isolante e o próprio material dificulta a mobilidade das cargas, a possibilidade de haver uma movimentação de cargas próximas para restabelecer o equilíbrio não existe. Assim, a falta de cargas de um e excesso do outro se mantém.

Dizemos que estes corpos ficam "carregados" de eletricidade estática. Estática porque as cargas ficam "paradas", ou seja, não podem ser movimentar porque os corpos são isolantes.

 

RÁIOS E TROVÕES

A evaporação da água pelo calor, e o atrito das gotículas com o vento na atmosfera faz com que gigantescas quantidades de cargas sejam geradas. Enormes quantidades de elétrons são retiradas de um local e transferidas para outro.

Isso significa que, quando se formam as nuvens elas podem estar "carregadas" com enormes quantidades de eletricidade estática, tanto de polaridade positiva como negativa, conforme mostra a figura 3.

 

Eletricidade numa nuvem de tempestade.
Eletricidade numa nuvem de tempestade.

 

Na figura ilustramos uma nuvem de tempestade típica, ou seja, um cúmulus-nimbus, que possui cargas elétricas armazenadas sob potenciais que chegam a dezenas ou mesmo centenas de milhões de volts.

Evidentemente, o ar que cerca essas nuvens é isolante e as cargas podem se manter até o momento em que isso muda: no início da chuva.

Com a condensação das gotas da nuvem em gotas maiores que caem, formando a chuva e consequentemente um aumento da umidade, o ar se torna condutor e a eletricidade armazenada nas diversas regiões da nuvem encontra um meio para se deslocar.

O resultado disso é que os elétrons das partes que os têm em excesso podem se deslocar rapidamente por "canais" para as regiões que os têm em excesso.

Esse deslocamento é extremamente violento e consiste numa corrente de milhares de ampères que aquece o ar a ponto dele "explodir" na forma de um raio.

 

Relâmpago e trovão
Relâmpago e trovão

 

Além da luz forte produzida pelo aquecimento do ar, que é o relâmpago, a expansão produz um efeito de explosão com um som forte que é denominado trovão.

O raio é, portanto, a descarga elétrica.

Essa descarga tanto pode ocorrer entre duas regiões de uma nuvem ou entre nuvens que estejam com cargas opostas como entre a nuvem e a terra, lembrando que a terra, como um enorme reservatório tanto pode receber elétrons em excesso como pode fornecê-los para as regiões que estejam em falta.

É interessante observar, neste caso, que não podemos dizer que um raio "cai", pois dependendo do sentido do movimento das cargas, elas podem tanto subir como descer, de modo a restabelecer o equilíbrio elétrico.

O que ocorre é que as cargas sempre procuram o caminho mais fácil entre a terra e a nuvem, por isso é que os raios tendem a se estabelecer entre os locais mais elevados: árvores, antenas, e mesmo pessoas que estiverem em campos abertos, conforme mostra a figura 5.

 

Cargas podem se acumular em qualquer corpo
Cargas podem se acumular em qualquer corpo

 

É por esse motivo que existe uma quantidade maior de casos de pessoas atingidas por raios que se encontram em campos de futebol ou praias.

Estando num descampado, passa pela pessoa o caminho mais curto entre a terra e as nuvens, para as cargas que desejam se deslocar.

O que o pára-raios faz é fornecer um percurso seguro para as cargas, pois se elas encontrarem um meio de alta resistência a tendência é o aquecimento e a destruição.

Colocado de forma a oferecer um caminho mais curto para as cargas, ele é ligado à terra por um cabo condutor, por onde essas cargas podem passar com um mínimo de resistência.

As pontas vêm do denominado "efeito das pontas". Um corpo condutor pontiagudo tende a expelir ou perder as cargas com mais facilidades por suas pontas, facilitando assim o estabelecimento da descarga.

 

Os veículos podem acumular carga.
Os veículos podem acumular carga.

 

AS CARGAS NO DIA A DIA

Mas, não é só num dia de chuva com trovoadas que a eletricidade acumulada ou estática se manifesta.

Quando caminhamos sobre um tapete num dia seco, o atrito pode fazer com que muitas cargas se acumulem no nosso corpo. O resultado é que ficaremos com potencial milhares de volts acima do ambiente e a natureza "não gosta" de desequilíbrios.

Se depois de acumular esta carga tocarmos numa torneira ou numa maçaneta de porta de metal, pode ocorre a descarga e o resultado disso será um forte choque, conforme mostra a figura 7.

 

Descarregando a eletricidade estática do veículo.
Descarregando a eletricidade estática do veículo.

 

A tendência das pessoas é dizer que a porta ou maçaneta que "deram choque" quando na verdade o que ocorreu é a descarga da eletricidade acumulada no próprio corpo!

O mesmo fenômeno pode ocorrer quando tocamos num carro que tenha se carregado com uma boa carga e tenda a transferir para nosso corpo parte desta carga!

Na verdade, a carga acumulada nos veículos tende até a ser incômoda senão perigosa.

Incômoda porque pode causar certas crises alérgicas nas pessoas que são sensíveis a cargas positivas, conforme pesquisas médicas indicaram.

Perigosa porque, se ao abastecer, a descarga ocorrer na forma de uma faísca um incêndio ou explosão são inevitáveis, conforme mostra a figura 8.

 

A garrafa de Leyden - o primeiro capacitor.
A garrafa de Leyden - o primeiro capacitor.

 

Uma maneira de nos livrarmos desta carga acumulada nos carros é colocando uma fita pontiaguda que se aproxime do chão e que por isso possa servir de elemento de descarga, conforme mostra a figura 9.

 

Como funciona o capacitor.
Como funciona o capacitor.

 

Os antigos caminhões de combustíveis tinham uma corrente de metal que quase batia no solo e que portanto servia de elemento de descarga para as cargas que pudessem se acumular na sua carroceria.

Os aviões também estão sujeitos ao acúmulo de cargas, principalmente se levarmos em conta que podem penetrar em nuvens carregadas.

Assim, tão logo eles estejam no solo, são ligados a um fio terra para a descarga de modo que ninguém sofra um forte choque ao tocar na sua estrutura ou que ocorram faíscas perigosas no momento do abastecimento.

Pode parecer certo exagero essa prevenção, mas se levarmos em conta que uma pessoa caminhando num carpete pode armazenar cargas sob potenciais de até 2 000 volts e um carro pode chegar a 5 000 volts, todo cuidado é pouco.

 

OS CAPACITORES

A possibilidade de se armazenar eletricidade em certos corpos foi observada há muito tempo pelos pesquisadores.

Os primeiros que chegaram a um dispositivo prático capaz de armazenar eletricidade forem os pesquisadores da Universidade de Leyden na Holanda.

Em 1745 construía-se o primeiro "capacitor" ou "condensador" que tinha o formato mostrado na figura 10.

 

Símbolos dos capacitores.
Símbolos dos capacitores.

 

Tratava-se de uma garrafa em que na parte interna havia uma folha de metal e externamente um revestimento também de metal, formando as "armaduras" do capacitor.

A eletricidade da folha de metal interna podia fluir por meio de uma corrente que tinha ligação com uma esfera de metal na tampa.

Observe que as duas armaduras eram isoladas pelo vidro da garrafa que então formava o que se denominava o dielétrico.

Muito apropriadamente este primeiro capacitor foi denominado "Garrafa de Leyden". Carregado com eletricidade estática ele descarregava com forte choque em quem tocasse simultaneamente suas armaduras.

Se bem que este primeiro capacitor tenha servido inicialmente para que os pesquisadores ficassem dando choques uns nos outros, a verdadeira utilidade do dispositivo se manifestou com a evolução da eletrônica.

Hoje, os capacitores que derivaram da Garrafa de Leyden são muito menores, podem armazenar muito mais eletricidade e podem ser usados numa infinidade de aplicações praticas.

Um capacitor consiste em duas armaduras de metal que devem ser separadas por um material isolante denominado dielétrico. Quando submetemos o capacitor a uma tensão as armaduras carregam-se com cargas elétricas de sinais opostos, ou seja, uma armadura fica positiva e a outra negativa, ambas com a mesma quantidade de cargas, que é a carga total do capacitor.

Se, por um fio externo interligarmos essas armaduras as cargas negativas de uma armadura podem fluir até a outra neutralizando as positivas e assim provocando a descarga do capacitor.

 

Capacitor tubular
Capacitor tubular

 

O tipo de material usado como dielétrico, o tamanho das armaduras e a sua separação determinam quanto de carga que um capacitor pode armazenar, ou seja, sua capacitância.

Assim, se um capacitor pode armazenar 1 Coulomb de cargas sob uma tensão de 1 Volt dizemos que este capacitor tem 1 Farad de capacidade.

Ora, 1 Coulomb é uma quantidade gigantesca de cargas o que significa que capacitores de 1 Farad seriam enormes. Na prática, usamos os seguintes submúltiplos do Farad:

Microfarad (µF) = 0,000 001 Farad

Nanofarad (nF) = 0,000 000 001 Farad

Picofarad (pF) = 0,000 000 000 001 Farad

 

Para utilização em aparelhos eletrônicos os capacitores podem ter os mais diversos aspectos e formatos.

Na figura 12 temos os símbolos que normalmente são adotados para representar estes componentes.

 

Capacitor eletrolítico
Capacitor eletrolítico

 

Analisemos os tipos mais comuns de capacitores:

 

a) tubulares

Os capacitores tubulares são fabricados de tal forma que as armaduras sejam folhas de alumínio que contenham um material isolante entre elas de modo que todo o conjunto possa ser enrolado formando um "tubinho" conforme mostra a figura 13.

 

Capacitor plano.
Capacitor plano.

 

De acordo com o material usado como dielétrico o capacitor recebe sua denominação. Esse material vai influir em outras propriedades além da capacitância daí a importância de saber escolher o capacitor certo para uma aplicação.

Temos então os seguintes tipos de capacitores:

* Papel ou óleo onde o dielétrico é uma folha de papel seco ou embebido em óleo. Trata-se de um tipo de capacitor não mais usado, mas que pode ser encontrado em aparelhos antigos.

 

* Poliéster e styroflex que são tipos de plásticos que possuem excelentes propriedades dielétricas.

* Eletrolíticos em que o dielétrico é formado por uma substância química que forma uma película isolante diretamente sobre as armaduras.

 

b) Planos

Outra categoria de capacitor é o denominado plano, em que o dielétrico, por não ser flexível não permite que ele seja enrolado com as armaduras. Na figura 14 temos o modo como este tipo de capacitor pode ser construído.

 

Capacitor de precisão de mica-prateada.
Capacitor de precisão de mica-prateada.

 

O tipo de material usado como dielétrico dá a denominação ao capacitor resultando então nos seguintes grupos:

* Capacitores cerâmicos que podem ter o formato de discos, plate ou mesmo tubos e que são montados colocando-se placas de metal ou mesmo uma deposição metálica condutora sobre pedaços de cerâmica.

* Capacitores de mica em que folhas de mica são usadas dielétricas. Pelas suas excelentes características elétricas, os capacitores de mica podem ter grande precisão e são usados principalmente em circuitos de alta frequência.

 

ESPECIFICAÇÕES

Para usar um capacitor numa aplicação prática, devemos levar em conta três especificações principais:

 

* Tipo

O tipo de sinal que encontramos num circuito determina que capacitor pode ser usado. Não podemos usar um capacitor indicado para aplicações em baixas frequências num ponto de um circuito em que sejam encontrados sinais de altas frequências. O capacitor não cumprirá sua função e o circuito pode funcionar de modo deficiente ou mesmo não funcionar.

Temos basicamente as seguintes aplicações possíveis para os capacitores comuns que vimos:

 

* Corrente contínua

Eletrolíticos, cerâmicos, poliéster, styroflex, mica

 

* Sinais de áudio e baixas frequências (até 1 MHz)

Cerâmicos, poliéster, styroflex, mica

 

* Alta frequência

Cerâmicos, styroflex, mica

 

* Valor

O valor é a capacitância especificada em µF, nF ou pF e que pode variar numa faixa extremamente ampla de alguns picofarads a milhares de microfarads.

Em muitos casos, essa especificação é dada na forma de códigos ou de marcações que podem causar alguma confusão no leitor menos experiente.

O caso mais comum é do código de 3 dígitos usado em capacitores cerâmicos, conforme mostra a figura 15.

 

Código de 3 dígitos.
Código de 3 dígitos.

 

Os dois primeiros dígitos dessa designação indicam a parte inicial do valor do componente e o terceiro o número de zeros, para uma indicação em picofarads.

Assim, a indicação 153 indica 15 seguidos de 3 zeros ou 15 000 picofarads.

Ora, como 1 000 picofarads equivalem a 1 nanofarad, 15 000 picofarads equivalem a 15 nF.

 

Outros exemplos:

122 = 1200 pF = 1,2 nF

471 = 470 pF

474 = 470 000 pF = 470 nF = 0,47 µF

103 = 10 000 pF = 10 nF

 

* Tensão de trabalho

Os capacitores só podem admitir entre suas armaduras uma determinada tensão máxima. Acima dela o dielétrico perde suas propriedades isolantes ocorrendo um faiscamento que acaba por "queimar" o componente. A tensão em que isso ocorre que é a tensão máxima de trabalho de um capacitor é indicada em seu invólucro.

Assim, se temos um capacitor de 10 nF x 250V isso significa que esse capacitor não pode ser usado num circuito em que a tensão supere os 250V.

Quando escolhemos um capacitor para uma montagem ele deve ter uma tensão de trabalho pelo menos uns 20% maior que a tensão que vamos encontrar no ponto do circuito em que ele vai ser usado.

 

CONCLUSÃO

Para que servem os capacitores e alguns outros tipos, como os denominados "variáveis" será assunto de um outro artigo, pois realmente existe muito que falar deste componente de grande utilidade.

O importante é que neste artigo os leitores tiveram uma boa imagem de como funciona este componente e dos tipos que podem ser encontrados.

 

BUSCAR DATASHEET


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Opinião

Mês de Muito Trabalho (OP197)

   Estamos em setembro de 2018 e continuamos com nosso trabalho, realizando palestras, viagens, escrevendo artigos, livros e muito mais. Em nossas duas últimas palestras, uma na Uninove e a outra na ETEC Albert Einstein, ambas de São Paulo, pudemos constatar de forma bastante acentuada um fato importante , que constantemente salientamos em nosso site desde seu início. 

Leia mais...

Coragem
Pois a coragem cresce com a ocasião. (For courage mounteth with occasion.)
Shakespeare (1564 1616) Vida e Morte do Rei João - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)