Medidor de Força Física (MA086)

Aparelhos para medir a força física de uma pessoa podem ser encontrados em parques de diversões com as mais diversas configurações. Um tipo simples é o que faz uso de uma mola, e sua contração ou distensão é proporcional à força que a pessoa faz sobre algum tipo de objeto. O circuito que propomos pode usar dois tipos de sensores, dependendo do modo como o leitor pretenda usá-lo.

Na configuração básica o sensor consiste em duas pilhas ou dois cilindros de metais que devem ser apertados com a maior força possível pela pessoa que está sendo testada.

Como a resistência elétrica da pele da pessoa depende da pressão feita sobre os eletrodos (entre outros fatores), esta resistência pode ser medida e servir para indicar a força. Assim, quanto menor for a resistência indicada ou maior a corrente que circular pelo circuito, maior será a força sobre os eletrodos.

Este sistema tem um inconveniente que é o fato da umidade da pele e sua espessura afetarem a precisão da indicação. Assim, pessoas com a pele molhada de suor ou ainda que tenham a pele mais fina podem facilmente levar o aparelho a indicar valores de força artificialmente maiores.

Uma maneira de se obter uma indicação em que esses fatores não entrem em jogo é utilizado em lugar dos eletrodos cilíndricos um sensor de esponja condutora, conforme mostra a figura 1.

 

Figura 1 – O sensor
Figura 1 – O sensor

 

A esponja condutora tem sua resistência diminuída quando apertada.

Podemos montá-la num sistema mecânico com duas barras flexíveis e uma mola forte que a pessoa deve pressionar. O grau de pressão e, portanto, de deformação da esponja condutora serve para avaliar a força exercida sobre o sensor.

 

Como Funciona

Na figura 2 temos o diagrama completo do medidor de força física em sua versão com eletrodos cilíndricos.

 

Figura 2 – Diagrama da versão com cilindros sensores
Figura 2 – Diagrama da versão com cilindros sensores

 

O circuito que descrevemos opera, com pequenas modificações, com os dois tipos de sensores. Com sensores cilíndricos mantemos R1 e R2 com 10 k Ω e P1 com 1 M Ω. Para a esponja condutora reduzimos R1 e R2 para 1 k Ω e reduzimos P1 para 10 k Ω.

O aparelho pode ser alimentado com tensão de 6 ou 9 V e tem um consumo muito baixo.

O circuito consiste simplesmente num sensível indicador de corrente. Como a corrente que circula pelos eletrodos na condição de alguém segurando é muito pequena para acionar um instrumento indicador comum, usamos um transistor amplificador.

Este transistor tem no seu coletor um microamperímetro comum e na sua base tem ligado os sensores de pressão.

Quando alguém segura nos sensores ao mesmo tempo e os aperta firmemente, a corrente que circula por eles também é a corrente de base do transistor.

Esta corrente pode ser parcialmente derivada de modo a se evitar a deflexão total do instrumento pelo ajuste de P1.

Assim, a corrente de base determina a intensidade da corrente de coletor que vai ser indicada pelo instrumento.

No sistema com esponja condutora o funcionamento é o mesmo, apenas mudando os valores dos componentes usados: a resistência da esponja determina a corrente de base do transistor, que é proporcional à corrente de coletor que vai ser acusada pelo instrumento indicador ligado nesse terminal.

 

Montagem

A disposição dos componentes numa placa de circuito impresso é mostrada na figura 3.

 

Figura 3 – Montagem em placa de circuito impresso
Figura 3 – Montagem em placa de circuito impresso

 

O transistor pode ser de qualquer tipo NPN de uso geral como, por exemplo, os equivalentes BC237, BC238 e BC547 e que até podem ser encontrados em muitos aparelhos fora de uso.

Os resistores são de 1/8 W e o capacitor C1 pode ter valores entre 10 µF e 100 µF, com uma tensão de trabalho de pelo menos 9 V.

P1 é um potenciômetro ou trimpot comum e seu valor depende da versão.

O instrumento é um microamperímetro comum com correntes de fundo de escala entre 100 e 500 µA.

Qualquer tipo serve para esta aplicação.

Na versão básica os eletrodos são duas pilhas gastas das quais tenha sido raspada a tinta externa, de modo a expor sua capa condutora.

Podem também ser usados dois tubos de cobre ou alumínio que possam ser apertados com facilidade mas que sejam resistentes o suficiente para não se deformarem. Na versão com esponja condutora os valores dos são alterados conforme indicamos.

A esponja pode ser obtida na embalagem de certos circuitos integrados sensíveis, que têm seus terminais apoiados neste material de modo a evitar a influência da eletricidade estática.

 

Prova e Uso

Para provar o aparelho ligue sua alimentação acionando S1. Em seguida, segure firmemente os eletrodos, um em cada mão, e ajuste P1 para obter uma indicação no início da escala.

A seguir aperte com o máximo de força para ver quanto o medidor indica. Peça a um amigo para que faça o mesmo e veja se ele consegue maior indicação do instrumento. Para usar o procedimento é o mesmo.

 

Semicondutor:

Q1 - BC548 ou equivalente - transistor NPN de uso geral

 

Resistores (1/4 W, 5%)

R1, R2 - 10 k Ω ou 1 k Ω - ver texto

R3 - 2,2 k Ω -vermelho, vermelho, vermelho

P1 - 1 M Ω – potenciômetro ou trimpot

 

Capacitores:

C1 - 10 µF/12 V - eletrolítico

 

Diversos:

X1, X2 - eletrodos - ver texto

S1 - interruptor simples

M1 - microamperímetro de 100 µA ou próximo disso

B1 - 6 ou 9 V - 4 pilhas ou bateria

Placa de circuito impresso, caixa para montagem, radiador de calor

para o transistor, suporte de pilhas, eletrodos e fios, solda, etc.

 


Viver
Viver é trapacear com a morte.
Mário da Silva Brito Diário Intemporal - Ver mais frases

Instituto Newton C Braga - 2014 - Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site
Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)