O Site do Hardware Livre - OSHW

Como funciona o motor de corrente contínua (ART476)

Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo é teórico, usando uma linnguagem simples e acessível, recomendamos sua utilização em cursos de iniciação tecnolígica para o nível fundamental e médio e mesmo técnico. Uma boa apostila pode ser feita com base no seu conteúdo.

Introdução
Para usar ou recuperar motores de corrente contínua é preciso conhecer o seu princípio de funcionamento. Neste artigo (destinado aos leitores que desejam entrar mais profundamente na eletrônica) sempre abordamos o princípio de funcionamento de diversos dispositivos eletrônicos que normalmente aparecem em aparelhos comerciais comuns. Um desses dispositivos não é propriamente eletrônico, mas aparece numa infinidade de aplicações e é controlado a partir da eletrônica. Falamos dos pequenos motores de corrente contínua que são encontrados em gravadores, brinquedos, câmaras de vídeo, aparelhos de som, etc. Como funcionam os motores de corrente contínua é o que veremos neste artigo.

Diversos aparelhos eletrônicos possuem recursos mecânicos que são mais ou menos automatizados e quando isso ocorre, obrigatoriamente temos a presença de um ou mais motores de corrente contínua.

Motores com os mais diversos aspectos, potências e tamanhos são encontrados nos aparelhos que já citamos.

Se bem que sejam muito diferentes quanto à aparência, conforme sugere a figura 1, seus princípios de funcionamento em nada diferem e conseqüentemente os problemas que podem apresentar.

 

Alguns tipos de motores de corrente contínua.
Alguns tipos de motores de corrente contínua.

Desta forma, conhecendo estes defeitos e estes princípios de funcionamento entenderemos muito mais os procedimentos para detectar problemas dos aparelhos que os usem e fazer sua reparação.

 

COMO FUNCIONAM OS MOTORES

Os motores de corrente contínua (CC) ou motores DC (Direct Current), como também são chamados, são dispositivos que operam aproveitando as forças de atração e repulsão geradas por eletroímãs e imãs permanentes.

Conforme sabemos, se fizermos passar correntes elétricas por duas bobinas próximas, conforme mostra a figura 2, os campos magnéticos criados poderão fazer com que surjam forças de atração ou repulsão.

 

Atração e repulsão de bobinas e ímãs.
Atração e repulsão de bobinas e ímãs.

 

A idéia básica de um motor é montar uma bobina entre os pólos de um imã permanente ou então de uma bobina fixa que funcione como tal, conforme mostra a figura 3.

 

Estrutura de um motor.
Estrutura de um motor.

 

Partindo então da posição inicial, em que os pólos da bobina móvel (rotor), ao ser percorrida por uma corrente, estão alinhados com o imã permanente temos a manifestação de uma força de repulsão. Esta força de repulsão faz o conjunto móvel mudar de posição, conforme mostra a figura 4.

 

Com a repulsão o rotor tende a girar.
Com a repulsão o rotor tende a girar.

 

A tendência do rotor é dar meia volta para seu pólo Norte se aproxime do pólo Sul do imã permanente. Da mesma forma, seu pólo Sul se aproximará do pólo Norte pelo qual será atraído.

No entanto, no eixo do rotor, por onde passa a corrente que circula pela bobina, existe um comutador. A finalidade deste comutador é inverter o sentido da circulação da corrente na bobina, fazendo com que os pólo mudem. Observe a figura 5.

 

Com a inversão de polaridade os pólos do rotor mudam.
Com a inversão de polaridade os pólos do rotor mudam.

 

O resultado disso será uma transformação da força de atração em repulsão, o que fará com que o rotor continue seu movimento, passando "direto" pela posição que seria de equilíbrio.

Sua nova posição de equilíbrio seria obtida com mais volta, de modo que os pólos do rotor se defrontassem com os de nome oposto do imã fixa.

Mais meia volta, e quando isso poderia ocorrer, a nova posição faz com que o comutador entre em ação e temos nova comutação da corrente. Com isso os pólos se invertem conforme mostra a figura 6.

 

Mais de meia volta temos nova inversão de pólos.
Mais de meia volta temos nova inversão de pólos.

 

O resultado disso é que o rotor não para, pois deve continuar em busca de sua posição de equilíbrio.

Evidentemente isso nunca vai acontecer, e enquanto houver corrente circulando pela bobina o rotor não vai parar.

A velocidade de rotação deste tipo de motor não depende de nada a não ser da força que o rotor tenha de fazer para girar. Desta forma, os pequenos motores de corrente contínua têm uma velocidade muito maior quando giram livremente do que quando girar fazendo algum tipo de esforço (movimento alguma coisa).

Igualmente, a corrente exigida pelo motor depende da oposição que o rotor encontra para sua movimentação. Fazendo mais força, o consumo aumento sensivelmente.

 

CARACTERÍSTICAS

Dado o princípio de funcionamento, as características dos pequenos motores admitem certo grau de flexibilidade.

Desta forma, a força que um pequeno motor pode fazer depende da tensão aplicada à sua bobina a qual vai determinar a corrente circulante e portanto a intensidade do campo magnético criado, conforme mostra a figura 7.

 

Comportamento típico de um pequeno motor de corrente contínua.
Comportamento típico de um pequeno motor de corrente contínua.

 

Pequenos motores são especificados não propriamente para uma determinada tensão mas sim para uma certa faixa de tensões, normalmente dando-se o valor médio. Assim, um motor indicado para funcionar com 3V pode, na realidade operar com tensões na faixa de 1,5 a 4,5 V, dependendo da força desejada.

Da mesma forma, a velocidade depende da força que ele vai fazer e os fabricantes indicam faixas de rotação ou então uma certa rotação associada a uma tensão e a uma corrente que, por sua vez, vai determinar a força que ele pode fazer.

Nas aplicações mais críticas, como por exemplo dispositivos que devem ser mantidos numa velocidade constante (toca-fitas, videocassetes, etc.) os motores devem ter recursos que permitam fazer uma regulagem.

Uma possibilidade consiste no uso de um circuito sensor de corrente, conforme mostra a figura 8.

 

O controle de velocidade aumenta a tensão, quando a velocidade cai.
O controle de velocidade aumenta a tensão, quando a velocidade cai.

 

Este circuito pode manter a velocidade mais ou menos constante detectando as variações da intensidade da corrente na bobina já que, conforme vimos, elas são determinadas pela velocidade e pelo esforço. Quando a velocidade vai, em vista de um esforço maior, a corrente tende a aumentar. Fornecendo uma corrente maior o motor recupera sua velocidade.

Alguns motores usados em aplicações mais críticos possuem uma bobina denominada "tacômetro", conforme mostra a figura 9.

 

Um motor com diversas bobinas, sendo uma com sensor para controlar a velocidade.
Um motor com diversas bobinas, sendo uma com sensor para controlar a velocidade.

 

Por este bobina é possível "sentir" a velocidade do motor e usar o sinal gerado para acionar um dispositivo externo de controle.

Normalmente, as velocidades de operação dos pequenos motores são elevadas e para os casos em que necessitados de mais força e de um movimento mais lento, precisamos contar com recursos para a chamada redução.

Em toca-discos e toca-fitas é comum o uso de correias e polias para esta finalidade, conforme mostra a figura 10.

 

Modo de se fazer uma redução de velocidade de um motor.
Modo de se fazer uma redução de velocidade de um motor.

 

A redução é facilmente calculada bastando para isso medir o diâmetro do eixo do motor e o diâmetro da polia maior. A relação entre os dois valores indica a taxa de redução e portanto o fator pelo qual ficará multiplicado o torque do motor.

Se tivermos um eixo de 2 mm e uma polia de 2 cm de diâmetro, por exemplo, teremos uma taxa de redução de 10 para 1. Isso significa que a força fica aumentada em 10 vezes e a velocidade fica reduzida em 10 vezes.

Sistemas mais sofisticados incluem o uso de engrenagens como por exemplo a caixa de redução mostrada na figura 11 e que é indicada para projetos de robótica e automação.

 

Uma caixa de redução com engrenagens.
Uma caixa de redução com engrenagens.

 

A relação entre os dentes das engrenagens do eixo do motor e das reduções mostram o que ocorre com a força e a velocidade.

 

COMO REPARAR

O principal problema encontrado nos pequenos motores está no desgaste das lâminas do comutador ou no seu afrouxamento. Em muitos casos elas são feitas de cobre e com isso se desgastam com facilidade ou ainda perdem a pressão sobre o rotor afetando com isso a passagem da corrente. O motor pode falhar ou não partir em determinadas posições.

A reparação, em muitos casos, pode ser feita pressionando-se as lâminas de volta nos contactos ou ainda, para quem tiver mais habilidade fazendo sua troca. Pode ser aproveitada uma lâmina boa de um motor igual fora de uso.

A limpeza das lâminas também pode ser necessária nos casos em que um motor muito tempo fora de uso tenha acumulado uma capa de óxido nestes contactos. Um spray limpador pode ser interessante nestes casos.

Outro problema é a continuidade das bobinas. A continuidade, que pode ser medida pelo multímetro conforme mostra a figura 12, pode apresentar problemas com a interrupção das bobinas ou separação dos contactos dos comutadores.

 

Verificando a continuidade de um motor.
Verificando a continuidade de um motor.

 

Uma interrupção de bobina causa a parada do motor. Se formos enrolar novamente um pequeno motor deveremos usar o mesmo número de voltas de fio de mesma espessura que o original.

Uma operação do motor com sobrecarga pode causar a queima do enrolamento, o que vai ser caracterizado pelo cheiro de queimado e pela cor escura do fio esmaltado.

Neste caso, bem sempre a reparação de um motor é compensadora. Pode sair muito mais barato e ainda mais rápido fazer a troca por um motor novo.

É comum também que os fios dos terminais escapem, interrompendo a circulação da corrente. Neste caso a reparação é mais simples bastando usar a solda.

Lubrificação dos mancais do eixo é também importante para que o motor gire livremente reduzindo o ruído.

Algumas aplicações exigem a ligação em paralelo com a bobina do motor um capacitor, conforme mostra a figura 13.

 

Capacitor para eliminar ruídos gerados pelo motor.
Capacitor para eliminar ruídos gerados pelo motor.

 

Este capacitor tem por finalidade absorver os transientes gerados pela comutação rápida do motor. Estes transientes ou pulsos de tensão são causa de interferências principalmente em circuitos de rádios e amplificadores e devem ser eliminados.

Se o capacitor estiver aberto ele não impede que ruídos apareçam quando o rádio está ligado e o motor girando (num gravador, por exemplo).

A troca do capacitor é a solução para o problema.

 

 

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Mês de Muito Trabalho (OP197)

   Estamos em setembro de 2018 e continuamos com nosso trabalho, realizando palestras, viagens, escrevendo artigos, livros e muito mais. Em nossas duas últimas palestras, uma na Uninove e a outra na ETEC Albert Einstein, ambas de São Paulo, pudemos constatar de forma bastante acentuada um fato importante , que constantemente salientamos em nosso site desde seu início. 

Leia mais...

Obséquio
O obséquio produz amigos, a verdade ódio. (obsequium amicos veritas odium parit.)
Terêncio (190-159 AC) - A Moça de Andros - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)