NOSSAS REDES SOCIAIS -

Alarme Para Moto (ART2056)

Usando um interruptor de mercúrio, este alarme detecta pequenos balanços da moto e com isso dispara temporizadamente uma carga externa de aviso que pode ser uma sirene ou buzina. O circuito é compacto e alimentado pela própria bateria da moto.

Uma das maneiras mais eficientes para se proteger uma moto é aproveitando o balanço que deve ocorrer se tentarmos tira-la do lugar. O circuito descrito usa um interruptor de mercúrio, que se bem que seja um componente "raro" pode ser encontrado em algumas sucatas.

Para os que não encontrarem existe a alternativa do sensor de pêndulo que também será explorado no artigo, viabilizando a montagem sob quaisquer condições.

O alarme uma vez disparado atua de modo intermitente sobre um relé por um tempo que pode ser ajustado entre alguns segundos até perto de meia hora.

Na condição de espera o consumo de energia é extremamente baixo, não afetando a carga da bateria.

Os componentes usados são todos comuns e de fácil obtenção, com exceção do interruptor de mercúrio para o qual daremos as alternativas.

 

COMO FUNCIONA

O elemento básico deste projeto, pouco conhecido de muitos leitores é o interruptor de mercúrio cujo aspecto é mostrado na figura 1.

 

Figura 1 – Um interruptor de mercúrio
Figura 1 – Um interruptor de mercúrio

 

Este dispositivo consiste numa ampola com dois terminais e uma gota de mercúrio.

Quando o interruptor está na posição normal, a gota de mercúrio fica longe dos contatos no interior da ampola e a chave estará aberta.

Quando o interruptor é inclinado a gota de mercúrio, que é condutora de eletricidade (é um metal líquido), encosta nos contatos e fecha o circuito.

Estes interruptores podem controlar correntes relativamente elevadas, mas no nosso caso ele serve simplesmente para disparar um monoestável.

Este monoestável tem por base um integrado 555 cuja temporização é dada por R3 e C2.

A saída deste integrado se mantém no nível baixo, até o momento em que sua entrada (pino 2) é levada momentaneamente ao nível baixo pela ação do interruptor de mercúrio.

Fechando o circuito este interruptor põe momentaneamente à terra C1 fazendo com que o pino 2 do integrado tenha sua tensão praticamente reduzida a zero.

Com o disparo, a saída do 555 (pino 3) vai ao nível alto por um intervalo de tempo dado por R3 e C2. Este intervalo é de aproximadamente:

T = 1,1 x R3 x C2

O valor máximo recomendado de C2 é de 1000 uF e de R3 ,1 M ohms caso em que obtemos algo em torno de 17 minutos. No entanto, tolera-se um resistor de 2,2 M ohms para uma temporização de até meia hora.

Com a saída do 555 no nível alto, é habilitado o oscilador formado pela porta NAND CI-1a que opera numa freqüência dada por R4 e C3.

Este oscilador determina o ritmo de abertura e fechamento do relé de alarme, podendo ter seus componentes alterados conforme a vontade do leitor.

O sinal retangular com um ciclo ativo de 50% deste oscilador é amplificado digitalmente pelas outras três portas do mesmo integrado 40938 e aplicado a um transistor (Q1) que tem como carga a bobina de um relé.

Este relé vai então abrir e fechar seus contatos no ritmo de oscilação de Cl-2a.

Veja que, quando a saída do 555 se encontra no nível baixo na condição de espera, o pino 3 do mesmo Cl permanece no nível alto, e com isso as três portas amplificadoras que funcionam como inversoras mantém suas saídas no nível baixo.

O resultado é que Q1 permanece cortado com um mínimo consumo de energia da bateria.

Para os leitores que não tiverem possibilidade de encontrar um interruptor de mercúrio existe a possibilidade de usar um sensor de pêndulo que tem sua construção mostrada na fig. 2.

 

Figura 2 – O sensor de pêndulo
Figura 2 – O sensor de pêndulo

 

Com este sensor, a argola não encosta na parte móvel (flexível) que passa por seu interior a não ser em caso de balanço. O breve contato que ocorre é suficiente para disparar o monoestável pelo tempo determinado por R3 e C2.

 

MONTAGEM

O diagrama completo do alarme é mostrado na figura 3.

 

Figura 3 – Diagrama do alarme
Figura 3 – Diagrama do alarme

 

A disposição dos componentes numa placa de circuito impresso é mostrada na figura 4.

 

Figura 4 – Placa para a montagem
Figura 4 – Placa para a montagem

 

Recomendamos usar soquete DlL para os integrados. Os capacitores eletrolíticos são para 16 V e os resistores de 1/8 W ou mais com tolerância de 5% ou melhor.

O diodo e o transistor admitem equivalentes e C1 tanto pode ser de poliéster como cerâmico.

O relé usado foi de 12 V com 50 mA de baixo custo, mas equivalentes sensíveis que exijam correntes de bobina até 100 mA para o disparo podem ser empregados.

O fusível é importante para proteger a fiação da moto e mesmo sua integridade em caso de curtos.

 

PROVAEUSO

A prova de funcionamento pode ser feita numa bancada com fonte de alimentação de 12 V. Coloque o fusível no suporte e alimente o circuito.

Balançando levemente o sensor (X1) deve haver o disparo do alarme com o funcionamento do relé de modo intermitente por certo tempo.

Caso o circuito tenda a disparar logo que ligado podemos fazer um reset simples conforme mostra a figura 5.

 

Figura 5 – Circuito de reset na partida
Figura 5 – Circuito de reset na partida

 

Este circuito habilita o 555 somente depois de alguns segundos da alimentação estabelecida, o que pode ser importante em muitas condições.

Uma vez comprovado o funcionamento feche a unidade numa caixa à prova de chuva e instale na moto. O relé pode controlar a buzina da moto conforme mostra a figura 6.

 

Figura 6 – Ligando o relé à buzina da moto
Figura 6 – Ligando o relé à buzina da moto

 

Observe que os contatos NA são ligados em paralelo com o interruptor da buzina. Para acionar o circuito esconda em algum lugar uma chave que ficará entre o fusível e o positivo da alimentação.

Ao fixar X1 encontre uma posição em que no estacionamento ele permaneça aberto, só fechando os contatos quando a moto se mover.

 

Cl-1 - 555 - circuito integrado - timer

Cl-2 - 40938 - circuito integrado CMOS (4 portas NAND)

Q1 - BC548 - transistor NPN de uso geral

D1 - 1N4148 - diodo de uso geral de silício

X1 - interruptor de mercúrio

K1 - relé de uso geral de 12 V

F1 - 2 A - fusível

R1 e R2 - 47 k ohms - resistores (amarelo, violeta, laranja)

R3 - 1M ohms - resistor (marrom, preto, verde)

R4 - 470 k ohms - resistor (amarelo, violeta, amarelo)

R5 - 1 k ohms - resistor (marrom, preto, vermelho)

C1 - 220 nF - capacitor cerâmico ou poliéster

C2 e C4 - 100 uF x 16 V – capacitores eletrolíticos

C3 - 2,2 uF x 16 V - capacitor eletrolítico

Diversos: placa de circuito impresso, soquete Dl L para os integrados, caixa para montagem, bornes de ligação do alarme, suporte para fusível, suporte para a chave de mercúrio, fios, solda, etc.

 

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Em busca de novos tempos

Em nossos últimos artigos, participações em lives, podcasts e vídeos temos ressaltado que estamos rapidamente caminhando para uma mudança de hábitos. São os novos tempos que estão chegando e que, em vista da pandemia estamos buscando para que sejam melhores e que nos tragam esperanças, paz e novos graus de compreensão, principalmente em nível mundial.

Leia mais...

Cavalo
Olho vivo, porque cavalo não desce escada
Ibrahim Sued em "O globo", pasquim - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)