O Site do Hardware Livre - OSHW

Defeitos em Equipamentos de Som (SER423)

A estrutura básica de todos os equipamentos de som é a mesma. Isso significa que, independentemente da complexidade, potência e número de funções, os defeitos apresentados em geral são os mesmos, assim como as possíveis origens. Desta forma, o técnico com um bom conhecimento dos defeitos básicos pode localizar a origem facilmente, mesmo sem dispor do esquema original. Neste artigo falaremos de alguns defeitos comuns em equipamentos de som, especificamente amplificadores de potência, dando sua provável origem e o que deve ser feito.

 

Obs. O artigo é do ano 2000, mas muitos dos procedimentos abordados e defeitos são comuns em equipamentos atuais.

 

a) Não Funciona

Quando o aparelho se encontra totalmente mudo, existem os seguintes pontos a serem verificados:

 

* Fonte de alimentação - verifique se o fusível de entrada está queimado. Se com a troca ele voltar a queimar, é sinal que existe curto interno.

* Verifique os transistores de saída de som que normalmente, por operarem com alta potência, são os elementos sobrecarregados que se queimam com mais facilidade. Se o amplificador usar módulos híbridos ou circuitos integrados, verifique se não são eles os responsáveis pelo problema.

Na figura 1 temos um diagrama de etapa de potência típica, com transistores em simetria complementar. A entrada em curto destes transistores causa problemas de queima do fusível de entrada. (figura 1)

 

 

 

Etapa de saída com fonte simétrica e transistores complementares
Etapa de saída com fonte simétrica e transistores complementares

 

 

 

* Verifique o cabo de conexão dos alto-falantes ou caixas acústicas. Um curto-circuito num cabo pode ser o responsável pela queima dos transistores de saída ou do circuito integrado.

 

 

b) O som para depois de algum tempo de funcionamento

O que pode ocorrer neste caso é que o aquecimento e aumento da corrente com o funcionamento depois de algum tempo, faz com que o fusível de entrada queime ou ainda entre em ação o sistema de proteção.

 

* Verifique se os transistores de saída estão muito quentes ou se aquecem de forma diferente (um mais que o outro). Se forem usados circuitos integrados, veja se existe um aquecimento excessivo dos mesmos.

 

Na figura 2 mostramos uma configuração de proteção térmica comum em amplificadores com transistores.

 

 

Q3 é montado no mesmo dissipador de Q1 ou Q2
Q3 é montado no mesmo dissipador de Q1 ou Q2

 

 

Um transistor comum colado com epóxi ao dissipador de calor funciona como sensor de temperatura, regulando a corrente da etapa de saída protegendo-a contra sobrecarga. Se este transistor apresentar defeito ou descolar-se do dissipador, o sistema de proteção térmica não funcionará.

 

* Verifique se existe problema de ligação das caixas acústicas. Duas caixas acústicas de 4 Ω em paralelo, conforme mostra a figura 3, resultam numa impedância de 2 Ω. Se a saída do amplificador admitir como impedância mínima 4 Ω, a ligação desta forma pode causa sobrecarga, com o consequente aquecimento ou atuação do sistema de proteção.

 

A ligação de diversas caixas na saída sobrecarrega o amplificador pela redução da impedância.
A ligação de diversas caixas na saída sobrecarrega o amplificador pela redução da impedância.

 

 

* Verifique também a fonte de alimentação. Uma sobrecarga anterior que afete as características dos componentes da fonte, pode fazer com que ela se predisponha à sobrecarga desligando depois de certo tempo, mesmo em funcionamento normal. Algum componente pode ter sido alterado.

 

 

c) Ronco

O ronco de 60 Hz, como o que surge quando colocamos o dedo num cabo de entrada, pode ter diversas origens internas, quando nenhuma fonte de sinal estiver ligada ao amplificador.

 

* Verifique em primeiro lugar se a tensão da fonte está devidamente filtrada. A presença de ripple, constatada pelo osciloscópio, veja a figura 4, indica problemas com as etapas de filtragem.

 

 A tensão de ripple deve ser menor que 1 ou 2 % da tensão de alimentação.
A tensão de ripple deve ser menor que 1 ou 2 % da tensão de alimentação.

 

 

Podem existir capacitores abertos ou com valor reduzido, ou ainda problemas com componentes reguladores que estão afetando as tensões aplicadas a determinadas etapas.

 

* Verifique os circuitos pré-amplificadores que são mais sensíveis à captação de roncos. Capacitores na filtragem da alimentação destes circuitos, quando abertos ou com capacitância reduzida, podem aumentar o nível de ruído de forma acentuada.

 

 

d) O volume se altera

Se o volume não se mantém constante e ainda ocorrem sinais de distorção, as causas podem estar em alguns pontos do amplificador de potência que devem ser verificados.

 

* Verifique a fonte de alimentação - flutuações na tensão de alimentação de certas etapas devidas a problemas com a regulagem podem acabar influindo no volume do som. Monitore com um multímetro a tensão na alimentação da etapa de potência, cujo volume se altera. Isso pode ajudar a detectar se o problema é da fonte.

 

* Verifique também os transistores de potência e o excitador (driver). Um problema intermitente nestes componentes que podem estar prestes a queimar pode ser o responsável por flutuações de volume.

 

 

e) Distorções

 

Para a verificação de distorções, o melhor procedimento é o que faz uso de um osciloscópio, uma carga resistiva no lugar dos alto-falantes e um gerador de sinais, de acordo com a figura 5.

 

 

Verificando se um amplificador tem problemas de distorção.
Verificando se um amplificador tem problemas de distorção.

 

 

Uma vez constatado que o sinal distorce, pode-se partir para uma verificação das causas. São as seguintes as verificações que devem ser feitas:

 

* Verifique inicialmente na etapa de saída, se as tensões estão corretas. Se um transistor, por defeito, modificar seu ganho, o sinal amplificado pode ser deformado. Uma sobrecarga que leve um transistor da saída a apresentar fugas pode ser a causa de distorções importantes num amplificador de áudio.

 

* Verifique a etapa excitadora (driver). Se os transistores desta etapa apresentarem problemas como, por exemplo, redução de ganho ou fuga, o desequilíbrio na aplicação do sinal na etapa de saída poderá resultar em distorções do sinal semelhantes à mostrada na figura 6.

 

Quando um transistor amplifica menos que o outro.
Quando um transistor amplifica menos que o outro.

 

 

Observe que um semiciclo do sinal tem uma amplitude diferente do outro, o que resulta numa reprodução desagradável do som original.

 

* Verifique também a fonte de alimentação - os amplificadores têm o pico de corrente quando os picos de áudio devem ser reproduzidos.

 

Se a fonte apresentar um problema que limite sua corrente ou ainda a impeça de fornecer corrente de maneira constante às etapas de saída, nos picos de som pode ocorrer uma queda de tensão suficiente para afetar a forma de onda do sinal aplicado ao alto-falante.

 

O resultado disso é uma forte distorção no som.

 

Um capacitor de filtro com valor reduzido pode causar este problema, pois ele atua como um reservatório devendo fornecer a energia que a etapa de saída precisa nos picos de áudio, conforme ilustra a figura 7.

 

O capacitor de filtro é um reservatório de energia usado nos picos de áudio.
O capacitor de filtro é um reservatório de energia usado nos picos de áudio.

 

 

f) Chiados

Os chiados são diferentes dos roncos. O chiado é o ruído de raspar ou crepitar, que pode ocorrer tanto quando atuamos sobre um controle como de forma natural, sem que nenhum controle seja tocado.

 

* Verifique em primeiro lugar se estes chiados acontecem quando os potenciômetros são ajustados. Se isso ocorrer, a origem pode estar nestes componentes, que estão raspando. O uso de um solvente pode ajudar na limpeza (limpa contatos).

 

No entanto, se o problema for de desgaste, o melhor é fazer a troca do componente.

* Verifique a seção do equalizador que, por usar muitos potenciômetros, é mais sensível ao problema.

* Procure por maus contatos em componentes da placa ou ainda acúmulo de sujeira, principalmente nas etapas mais sensíveis, que são as do pré-amplificador.

 

 

CONCLUSÃO

Estes são apenas os problemas mais comuns com suas possíveis causas.

Alertamos, entretanto, que a Eletrônica não é uma ciência tão exata quando falamos em termos de reparação, e existem causas para os mesmo problemas, que não podem ser facilmente previstas.

Já soubemos até do caso de uma lagartixa que morreu dentro do alto-falante de um equipamento de som, provocando forte distorção. Antes que o próprio alto-falante fosse retirado, o técnico examinou diversas outras possíveis causas, totalmente previstas no que seria um diagnóstico normal.

A própria propaganda de um analgésico que fala de um pedaço de pizza encontrado dentro de um videocassete mostra que o técnico reparador deve estar preparado para tudo, inclusive ter dores de cabeça que o próprio analgésico anunciado dificilmente vai curar.

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Ser não ser honesto (OP192)

Não há dúvida de que estamos passando por uma época de transformações políticas e sociais. Já não se admite desonestidade na política, e evidentemente em qualquer outro tipo de atividade em nosso país. A pressão tem sido cada vez maior no sentido de erradicar este mal, mas infelizmente ainda vemos que em alguns setores, esta mentalidade parece não estar mudando com a devida velocidade.

Leia mais...

País
Um país se faz com homens e livros.
Monteiro Lobato (1882 1948) - América - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)