NOSSAS REDES SOCIAIS -

Foto Desativador de Circuitos (ART2048)

Eis um automatismo com controle remoto que pode ser de grande utilidade na bancada de trabalhos de eletrônica ou mesmo no lar quando testamos, ajustamos. ou ainda temos dúvidas sobre o funcionamento de equipamentos alimentados pela rede.

Com uma simples lanterna como transmissor podemos desligar instantaneamente cargas alimentadas pela rede e o próprio aparelho de controle.

Além das utilidades indicadas este interessante automatismo também tem outras.

Podemos, por exemplo, usá-lo com luzes de vitrines de uma loja.

Ao sair à noite basta dar um toque no interruptor de pressão de acionamento que as luzes acenderão.

No dia seguinte, com a claridade do amanhecer, o aparelho desarma automaticamente, desligando as lâmpadas alimentadas.

Nas luzes de uma varanda ele também pode ter a mesma função.

Na oficina, numa emergência podemos desligar à distância uma carga em teste bastando usar um farolete como transmissor.

Operando tanto na rede de 110 como 220 V, a versão original usa um relé para 2 A, mas ele pode ser trocado pelo tipos de 10 A no controle de cargas maiores.

Para maior inércia do circuito no caso de se tentar evitar o acionamento errático (por relâmpagos, por exemplo) são previstos recursos no projeto.

 

CARACTERÍSTICAS

Tensão de alimentação: 110/220 V c.a.

Corrente máxima de carga: 2 A (10 A com a troca do relé)

Consumo: 5 .W (aprox.)

Corrente no relé: 45 mA (tip.)

 

Supondo que o sensor (LDR) esteja sem iluminação e, portanto, sua resistência elevada, ao pressionarmos S1 e estabelecermos a alimentação do circuito, temos na base de Q1 tensão suficiente para provocar sua condução e com isso a saturação de Q2.

O resultado é que K1 fecha seus contatos e mantém a alimentação do circuito.

Esta operação é rápida, de modo que basta pressionar S1 por um instante para que o relé já trave e a alimentação seja estabelecida na carga e no próprio circuito de controle.

P1 ajusta a sensibilidade do circuito.

Assim, se o LDR for iluminado, mesmo que por um curto intervalo de tempo, a tensão na base de Q1 cai e este transistor pode ir ao corte.

Se isso ocorrer, em função da intensidade da luz que incide no sensor, Q2 também deixa de conduzir e o relé desarma, cortando a alimentação da carga.

Também é cortada a alimentação do próprio aparelho que então deixa de consumir qualquer energia.

Para reativar o aparelho é preciso em primeiro lugar que o LDR volte a ficar no escuro. Depois, basta pressionar por um instante S1, que estabelece a alimentação do circuito.

O relé trava novamente e o aparelho está pronto para receber novo comando.

Com a utilização de um tubo opaco diante do LDR e de uma lente convergente podemos tornar a ação do sensor direcional e aumentar enormemente sua sensibilidade.

Até mesmo o lampejo do acender de um isqueiro ou fósforo a vários metros pode ser suficiente para desativar o circuito.

De modo a eliminar a ação rápida e somente obter o desarme se a claridade persistir, o que seria desejável no caso de um controle de luzes de varanda ou vitrines, podemos ligar um capacitor de 10 a 100 uF entre a base de Q1 e o negativo da alimentação de baixa tensão.

Maior valor proporciona maior inércia e evita resposta aos pulsos de luz de curta duração.

Na figura 1 temos o diagrama completo do aparelho.

 

   Figura 1 – Diagrama do aparelho
Figura 1 – Diagrama do aparelho

 

A disposição dos componentes numa placa de circuito impresso é mostrada na figura 2.

 

   Figura 2 – Placa para a montagem
Figura 2 – Placa para a montagem

 

Se o relé usado for do tipo DIL sugerimos a utilização de soquete.

Para correntes maiores deve ser usado outros tipos o layout da placa deve ser alterado.

Ligue inicialmente uma carga em X1 (uma lâmpada, por exemplo) e mantenha o LDR no escuro. Alimente o aparelho.

Pressionando S1 o relé deve ser ativado e a carga alimentada. Soltando S1 a carga deve ser mantida ativada.

Coloque então o cursor de P1 todo do lado do LDR e aponte-o para um local ainda escuro Iluminando o local o circuito deve destravar.

Se isso não ocorrer, vá ajustando P1 até ocorrer o disparo.

Para reativar e proceder a um ajuste tino atue sobre S1.

Para cada local deve ser refeito o ajuste tanto em função do nível de escuro como do nível de luz em que deve ocorrer o desarme do circuito.

 

Semicondutores

Q1, Q2 - BC548 ou equivalentes

D1, D2 - 1N4002 ou equivalentes

D3 - 1N4148

 

Resistores: (1/8 W, 5%)

R1 - 10 k ohms

R2 - 47 ohms

P1 - 1M5 ohms - potenciômetro

 

Diversos:

C1 - 100 uF x 25 V - eletrolítico

T1 - transformador com primário de acordo com a rede local e secundário de 12+12 V x 500 mA

LDR - qualquer tipo, redondo comum

K1 - Relé de 12 V - ver texto

F1 - 5 A - fusível

X1 – tomada

 

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Chegada de novos tempos (OP205)

As primeiras indicações que uma volta a normalidade deve começar a ocorrer em breve anima muitas pessoas. De fato, estamos vislumbrando novos tempos, mas precisamos estar atentos para o fato de que tudo vai ser diferente, principalmente para o nosso mundo da tecnologia.

Leia mais...

Ausentes
Os ausentes nunca têm razão. - (Les absents ont toujours torts.)
Destouches (1680 1754) O Obstáculo Imprevisto - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)